Imagem do tópico
12/03/2018

Exame de Tilt-Test

O Tilt-Test, é um exame que também é conhecido como teste da inclinação, é um exame desenvolvido para identificar uma razão clínica para os casos de desmaio em pacientes de qualquer idade, mas principalmente, entre adolescentes e jovens sem cardiopatia aparente.

Para que serve:
O exame de Tilt-Test avalia o comportamento da pressão arterial e da frequência cardíaca do paciente diante de mudanças na postura, já que o corpo do paciente é submetido a diversas inclinações durante o exame. É muito utilizado para fazer a diferenciação entre os diferentes tipos de desmaios.

Como é feito:
O exame de Tilt-Test pode ter várias etapas, dependendo de cada caso avaliado. Para iniciar o teste, o paciente é colocado sobre uma mesa especial, que se movimenta (mesa basculante) que permitirá avaliá-lo em diversas inclinações, captando suas reações a cada movimento. Durante o exame algumas medicações poderão ser administradas pelo soro instalado em uma veia periférica. A pressão arterial é verificada a cada dois minutos através de um Monitor de Pressão automático e o coração monitorado continuamente por um Eletrocardiógrafo digital durante todas as etapas realizadas.

Preparo e contraindicações:
Para a realização do exame do Tilt-Test não é necessária internação. É preciso apenas que o paciente esteja em jejum por 4 horas antes do procedimento e traga exames como Holter, teste ergométrico ou ecocardiograma, caso já tenha passado por algumas dessas avaliações.

O exame é realizado por médicos especializados no serviço e o paciente é liberado logo após o término da avaliação, aguardando-se apenas sua completa recuperação, pois não é um exame invasivo que necessite repouso após sua realização.

Ao final, um relatório completo é fornecido para o paciente, com todos os detalhes do exame e os gráficos com o comportamento da pressão arterial, frequência cardíaca, posição do paciente e sinais e sintomas clínicos.

É baseado neste relatório que o médico que solicitou o exame de Tilt-Test irá orientar o tratamento do paciente que pode variar de apenas orientações clínicas a uso de medicamentos e até cirurgias específicas para alguns casos.