Imagem do tópico
22/12/2020

Placas Eletrocirurgicas Adesivas ou Placas de Inox?

As placas eletrocirúrgicas são conhecidas como eletrodo neutro, placa neutra, placa terra, eletrodo passivo, eletrodo de retorno ou eletrodo dispersivo de um Bisturi Elétrico ou Bisturi Cautério.

Na técnica monopolar, durante a cirurgia de alta frequência, o cirurgião aplica uma corrente elétrica nos tecidos através de uma caneta eletrocirúrgica ou uma pinça monopolar (eletrodo denominado ativo). A passagem da corrente pelo tecido alvo vai gerar um aquecimento e o resultado é o corte e/ou a coagulação deste tecido alvo. Após efetuar o efeito no tecido alvo, a energia percorre o corpo do paciente retornando através da placa de paciente (eletrodo dispersivo) para dentro do Bisturi Cautério.

Desta maneira, a circulação da corrente de forma controlada, vai gerar o efeito eletrocirúrgico (aquecimento) desejado, mas espera-se que o efeito ocorra apenas no ponto onde o cirurgião está com o eletrodo ativo tocando o paciente.

Há vários modelos de placas para eletrocirurgia, como as Reutilizáveis de Inox e as Adesivas Descartáveis, com diferentes tamanhos para pacientes como neonatais até os adultos.

As placas eletrocirúrgicas adesivas e descartáveis são as mais indicadas, pois elas aderem toda a sua superfície ao corpo do paciente, sugerindo que a placa seja a melhor opção para a corrente retornar ao bisturi. Toda vez que a placa não for a melhor opção para a corrente retornar ao bisturi, haverá uma grande chance desta corrente achar pontos de fuga de corrente e produzir uma queimadura eletrocirúrgica no paciente.

A maioria dos fabricantes de bisturis elétricos, já incorporaram um sistema que permite a utilização de placas eletrocirúrgicas adesivas bipartidas.  Este sistema é conhecido como PPM, PPQ, CQC, REM entre outros. O sistema monitora a resistência de contato entre a placa e o paciente. Por esta razão, o uso de placas eletrocirúrgicas bipartidas adesivas reduz o risco de queimaduras, pois um alarme será acionado caso a resistência de contato esteja fora dos limites estabelecidos pelas Normas de Fabricação dos Bisturis Eletrônicos.

As Placas Eletrocirurgicas em Inox não conseguem manter toda a sua extensão em contato com o paciente e não permitem que os Bisturis monitorem o seu contato com o paciente.

Os efeitos da passagem da corrente elétrica pelos tecidos vivos são determinados por fatores relacionados tanto ao tecido (impedância, umidade e condutividade térmica), quanto á corrente elétrica utilizada (intensidade, frequência, forma de onda e densidade).

O mais importante conceito na compreensão da eletrocirurgia é o fator de densidade da corrente, definida como a quantidade de eletricidade que flui através de uma área de tecido-alvo, uma vez que o tecido exposto à maior densidade de corrente sofre maiores efeitos. Estes efeitos são resumidamente o resultado do aquecimento destes tecidos.

Veja abaixo as diferentes alterações causadas no tecido-alvo pelo calor gerado durante a eletrocirurgia:
- Se a temperatura do tecido subir para 40°C não causam nenhum dano significativo.
- Entre 43°C e 45°C ocorre a retração dos tecidos. Existe dano reversível, dependendo do tempo de exposição.
- Com mais de 50°C as atividades enzimáticas se reduzem (desnaturação dos tecidos).
- Entre 50°C e 60°C ocorre a coagulação das proteínas.
- Entre 90°C e 100°C o tecido é completamente desidratado (dessecado).
- Acima de 100°C acontece a transição para vapor d’agua intra e extracelular.
- Acima de 150°C ocorre a carbonização.
- Acima de 300°C os tecidos se vaporizam.

Diante dos efeitos observados acima, a escolha da placa eletrocirúrgica e o local da sua aplicação é muito importante para o sucesso de um procedimento com a técnica de cirurgia monopolar.

Escolha o local mais próximo ao campo operatório para colocar a placa de paciente, assim densidades de correntes menores serão necessárias para se alcançar os efeitos desejados no tecido.

A placa de paciente deve ter tamanho suficiente para manter uma ampla área de dispersão da corrente elétrica, de forma a preservar os tecidos, daí pode-se optar pelos tamanhos Neo-Natal, Pediátrico, Adulto ou pela Placa Universal que atende aos pacientes Adultos e Pediátricos ao mesmo tempo.
Consulte o fabricante da placa adesiva eletrocirúrgica para saber as indicações de uso. Normalmente, as instruções estão impressas na embalagem das placas de bisturi.

Leia atentamente as instruções de uso, revise a necessidade de se fazer tricotomia, jamais desconsidere um alarme de placa acionado no Bisturi, aplique a placa cuidadosamente no paciente e escolha um bom fornecedor de placas eletrocirúrgicas adesivas.

Para conhecer os modelos de placas para eletrocirurgia que dispomos, clique aqui.