Imagem do tópico
13/06/2019

Qualidade dos eletrodos no exame de eletrocardiograma

A influência da qualidade dos eletrodos no exame de eletrocardiograma.  

A qualidade do ECG obtido por um eletrocardiógrafo durante o exame, depende diretamente da qualidade dos eletrodos e cabos utilizados.

 

 

Durante o exame de Eletrocardiograma, o eletrocardiógrafo pode utilizar eletrodos do tipo adesivos descartáveis ou 6 eletrodos do tipo ventosa e 4 eletrodos de membros tipo clip.

O passo mais importante é assegurar que a pele do paciente esteja em contato com o eletrodo sem obstruções, pois o registro dos impulsos elétricos é o item mais importante para a realização do exame. Portanto, os cuidados com o paciente são fundamentais.

A preparação da pele para receber o eletrodo é crucial.
O principal ruído na transmissão do sinal elétrico é causado pela gordura.
Por isso, deve-se limpar a pele com acetona, éter, ou álcool com graduação acima de 90%, esfregando com uma gaze cirúrgica ou esponja áspera até que a pele fique avermelhada.
Isso é importante para remover a camada córnea da pele, que é um isolante elétrico.
Caso o paciente possua pelos no abdome e peito, eles deverão ser removidos.
Os eletrodos também devem ser limpos e bem fixados.

Estes cuidados com o paciente, apesar de simples, são essenciais para a realização de um bom exame de eletrocardiograma.

Eletrodo de ECG descartável:  Os eletrodos descartáveis garantem um melhor desempenho na captura do sinal de ECG pelo eletrocardiógrafo, pois entende-se que estes estejam sempre no seu primeiro uso e na melhor condição possível para efetuar o acoplamento do paciente com o Eletrocardiógrafo.        

Eletrodo de ECG tipo Clipe e Eletrodo Perinha: No caso dos 6 eletrodos do tipo ventosa e 4 eletrodos de membros tipo clip a situação é muito complicada pois o usuário não aplica as medidas corretas de higienização diária dos eletrodos deixando que o Gel e resíduos de gordura da pele do paciente promovam uma reação com o metal do eletrodo e o mesmo passa a ficar oxidado. Depois que o eletrodo se oxida, para a retirada desta oxidação o usuário passa então a utilizar de materiais abrasivos que praticamente lixam o metal retirando todo o banho de prata clorada do eletrodo. O resultado disso tudo é um eletrodo com aspecto horrível, e incapaz de efetuar o perfeito acoplamento físico e elétrico entre o paciente e o eletrocardiógrafo. A reposição destes itens deve ser feita pelo usuário sempre que os mesmos apresentarem oxidações ou perdas do banho de prata do eletrodo.

No material que colocamos em anexo, fica claro para todos nós, que os eletrodos reutilizáveis não são para uso permanente, eles precisam de um cuidado especial para a sua limpeza e higienização e de tempos em tempos, precisam ser repostos por itens novos.  

Como cuidar dos Eletrodos de ECG reutilizáveis?
É muito fácil, basta lavar os eletrodos com água morna e sabão ou detergente neutro no final do expediente. As perinhas podem ser separadas da parte metálica (eletrodo) e utilizando-se da água morna faz-se várias manobras de aspirar e expirar a água de dentro da perinha, pois a água morna irá diluir o gel que ficou depositado dentro da perinha. Pode-se ainda fazer uso de uma escova macia ou uma escova de dentes “usada”, para escovar onde se possa ver a presença de gel. Para secar, você poderá deixar os eletrodos descansando de um dia para o outro sobre uma toalha ou fazer uso de um pano seco e macio sem esfregar os eletrodos.  

Lembre-se de que a limpeza da pele com gaze e álcool e a manutenção correta dos eletrodos irá contribuir em muito para um traçado de ECG livre de interferências no seu eletrocardiógrafo.  

A devida limpeza e higienização dos eletrodos reutilizáveis vai contribuir para a imagem da sua clínica ou departamento de cardiologia, pois seus pacientes verão o cuidado que você toma com o seu eletrocardiógrafo, eletrodos e cabo paciente.